quinta-feira, 29 de setembro de 2016


As Bibliotecas Escolares - Espaço multifuncional



Não é novidade afirmar-se que nas escolas se promove a aquisição de hábitos de leitura e de desenvolver competências de literacia nas nossas crianças e jovens. Terão sido esse os intentos que ditaram a criação, em 1995, da Rede de Bibliotecas Escolares. Até aí o fundo documental das bibliotecas das escolas era quase exclusivamente constituído por livros, com um acervo bastante reduzido na maioria delas, e com mecanismos de acesso à consulta de informação bastantes dissuasores da sua frequência frequente.

Com o Programa da Rede de Bibliotecas Escolares as escolas interessadas candidataram-se a apoios para modernização e/ou criação de bibliotecas, de modo a servirem melhor os públicos que as frequentam. Livre acesso aos espaços da biblioteca, uma organização interna onde é evidente as suas diferentes, fundo documental a ser constituído, para além dos livros, revistas e jornais, por materiais audiovisuais e equipamentos informáticos para pesquisa e recolha de informação, foram algumas das inovações introduzidas. A Biblioteca é agora um centro multifuncional de acesso à informação, onde se promove hábitos de leitura, métodos de estudo e a investigação autónoma.

Às Bibliotecas Escolares é “exigido” que adequem as suas dinâmicas às mudanças sociais que atualmente se operam, de modo a serem espaços de aprendizagem e a serem promotores da diversificação de estratégias pedagógicas. A inclusão das novas tecnologias, como recurso educativo, é na atualidade uma ferramenta crucial na diversificação dessas estratégias. Recorrer ao uso dos ambientes virtuais (blogues, youtube, facebook) é sinónimo de motivação para os alunos aprenderem. Desta forma, assume especial relevância a articulação do trabalho do professor bibliotecário com os dos outros professores.

Na biblioteca da Escola de Palmeira, estão em desenvolvimento um conjunto de atividades e estratégias, que têm produzido resultados francamente positivos na associação estratégias de aprendizagem/ novas tecnologias e biblioteca/desenvolvimento do currículo das várias disciplinas. Em concreto pelo recurso aos tablets, adquiridos no seguimento da apresentação de uma candidatura ao projeto Ideias com Mérito, promovido pela Rede de Bibliotecas Escolares.

Um dos projetos é o “Pacto de leitura”, destinado aos alunos do 2.º ciclo, para a promoção e criação de hábitos de leitura e melhoria da competência leitora, e que se desenvolve em articulação com os professores de Português. O professor, após a leitura de uma obra literária, em contexto de sala de aula, procede à avaliação das aprendizagens através de dispositivos móveis, Com recurso ao uso de tablets é alterado o processo de utilização das “Fichas de leitura”, através da aplicação informática Kahoot e utilização de um dispositivo com um navegador web para alunos preencherem um questionário de avaliação da obra literária. Assim, a aprendizagem e a participação ativa dos alunos é feita através de um jogo interativo.

Outro projeto que quero aqui apresentar é o VideoM@T, baseado na metodologia JuxtaLearn, que visa estimular a curiosidade dos alunos em ciência e tecnologia através de produção de vídeos criativos que exploram conteúdos curriculares da disciplina de Matemática. Este projeto potencia a inspiração criativa, o desenvolvimento do conhecimento conceptual e compreensivo. É desenvolvido na Biblioteca, em articulação com os docentes de Educação Visual e de Matemática.
Estes são dois exemplos dos vários projetos já implementados. Outros adivinham-se para um futuro próximo, alguns deles a privilegiar a articulação com o primeiro ciclo. Em resultado disso, quando não está a haver aulas, a Biblioteca está sempre cheia de alunos. Ainda bem!

                                                                         in Correio do Minho




Sem comentários:

Enviar um comentário